• Notícias
More
    Início Notícias Geral Airbnb pagará translado dos corpos da família de Biguaçu que morreu no...

    Airbnb pagará translado dos corpos da família de Biguaçu que morreu no Chile

    Familiares das vítimas haviam feito uma vaquinha online pedindo R$ 100 mil para custear a viagem antes da empresa se pronunciar

    🕗 Publicado

    em

    - Publicidade -

    NEWSLETTER

    Receba notícias de Santa Catarina todos os dias em seu e-mail.

    Clique em "Assinar", confirme seu cadastro na próxima tela e ative o cadastro em seu e-mail.
    A família passeando em Balneário Camboriú.

    A plataforma de aluguel Airbnb informou, nesta quinta-feira (23), que irá arcar com os custos do translado dos corpos da família encontrada morta em um apartamento em Santiago, no Chile. Antes da empresa fazer o comunicado, a prima das vítimas, Noemi Fortunato Nascimento, havia feito uma vaquinha online para custear a viagem. A campanha pedia R$ 100 mil.

    “Estamos profundamente consternados com este trágico incidente. Nós nos solidarizamos com os familiares e estamos em contato para prestar todo apoio necessário aos familiares neste momento difícil. A segurança de nossa comunidade de viajantes e anfitriões é a nossa total prioridade”, divulgou o Airbnb em nota.

    A empresa possui um seguro para proteger danos aos imóveis e indenizar os proprietários se ocorrerem problemas. Em situações de acidentes com turistas, as situações são avaliadas caso a caso, segundo a assessoria de imprensa.

    O Itamaraty disse que a lei não obriga as autoridades brasileiras a custear o translado de corpos de brasileiros mortos no exterior.

    As vítimas são um casal, Fabiano de Souza, de 41 anos e Débora Muniz, de 38, e seus dois filhos adolescentes, Karoliny, de 15, e Felipe Nascimento, de 13. Eles estavam em Santiago para comemorar o aniversário de 15 anos da filha. Também estavam no apartamento o irmão da mulher e a cunhada dela, Jonathas Nascimento, 30, e Adriane Krueger, que moravam em São Paulo. O casal e os adolescentes eram de Biguaçu, na Grande Florianópolis.

    Os tios de Karoliny: Jonathas Nascimento Kruger, 30 (irmão da mãe), e Adriane Padilha Krueger, também morreram.

    Segundo informações do Itamaraty, eles morreram devido a um vazamento do gás monóxido de carbono. O edifício onde os brasileiros estavam fica na esquina das ruas Santo Domingo e Mosqueto, no centro de Santiago.


    COMENTE ABAIXO ⬇