• Notícias
More
    Início Notícias Justiça Autor de homicídio de irmão de Neném da Costeira é condenado a...

    Autor de homicídio de irmão de Neném da Costeira é condenado a 16 anos de prisão em Florianópolis

    Vingança por outro homicídio em disputa interna da facção criminosa que domina o tráfico de drogas de Florianópolis motivou assassinato

    🕗 Publicado

    em

    - Publicidade -

    NEWSLETTER

    Receba notícias de Santa Catarina todos os dias em seu e-mail.

    Clique em "Assinar", confirme seu cadastro na próxima tela e ative o cadastro em seu e-mail.
    Divulgação

    Nesta terça-feira, 9.abr.2019, o Tribunal do Júri da Comarca da Capital condenou Alexandre Campos, denunciado pelo homicídio de Valdeci de Souza, irmão de Sérgio de Souza – conhecido como Neném da Costeira – a 16 anos e quatro meses de prisão, em regime inicial fechado. O crime ocorreu em outubro de 2016 e foi motivado por vingança de outro homicídio ocorrido em disputa interna da facção criminosa.

    De acordo com a denúncia apresentada pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), Alexandre é tio de Tiago Cordeiro, assassinado em abril de 2016 a mando de Danilo de Souza, também irmão de Neném da Costeira, da família apontada por comandar o tráfico no bairro Costeira do Pirajubaé, em Florianópolis. Danilo já foi julgado pelo crime em abril do ano passado e condenado a 16 anos de prisão.

    A denúncia do Ministério Público relata que, no dia 28 de outubro de 2016, Alexandre estava em um posto de combustíveis do bairro, conversando em frente a loja de conveniências, quando Valdeci desce de um carro, se dirige ao estabelecimento e para em frente a porta.

    Reconhecendo a vítima, com propósito de vingar a morte do sobrinho, Alexandre sacou a arma de fogo que portava e deu um tiro nas costas de Valdeci. Em seguida, com a vítima já caída, efetua mais três disparos, um na cabeça e dois na região abdominal, causando a morte de Valdeci. Saindo após calmamente do local do crime em uma motocicleta.

    Conforme sustentado pelo Ministério Público, o corpo de jurados considerou o réu culpado pela prática de homicídio duplamente qualificado, por ter sido praticado sem possibilidade de defesa e com motivo torpe. O julgamento foi realizado na sala de sessões do Tribunal do Júri da Comarca da Capital.

    A criança foi submetida a exames que comprovaram os abusos, os quais ocorriam há bastante tempo.

    Posted by Click Catarina on Friday, April 12, 2019

    COMENTE ABAIXO ⬇