• Notícias
More
    Início Notícias Deputado apresenta PEC para proibir 'pedágios urbanos' em cidades turísticas de SC

    Deputado apresenta PEC para proibir ‘pedágios urbanos’ em cidades turísticas de SC

    Deputado defende que taxas para acesso a municípios como a TPA de Bombinhas são inconstitucionais, meramente arrecadatórias e ferem o direito de ir e vir

    🕗 Publicado

    em

    - Publicidade -

    NEWSLETTER

    Receba notícias de Santa Catarina todos os dias em seu e-mail.

    Clique em "Assinar", confirme seu cadastro na próxima tela e ative o cadastro em seu e-mail.
    Divulgação

    Começa a tramitar esta semana ,na Assembléia Legislativa,  Proposta de Emenda à Constituição do Estado  (PEC) do deputado Ivan Naatz (PV) e com apoio de outros 13 parlamentares,  que altera o artigo 128 da carta estadual  para deixar claro que tanto o governo como os municípios ficam proibidos de instituir a cobrança de taxa de qualquer natureza que limite o tráfego de pessoas ou de bens, a exemplo da Taxa de Preservação Ambiental (TPA) que já vem sendo cobrada no acesso a cidade de Bombinhas e em vias de implantação nos municípios de Celso Ramos e São Francisco do Sul. Consta que em outras prefeituras de cidades turísticas do Estado já haveria intenção de  projetos para implantação de cobrança semelhante.

    O parlamentar justifica que é preciso evitar a multiplicação de tributos que a pretexto de garantia de mecanismos de proteção ao meio ambiente, acabam por não se enquadrar no conceito constitucional de taxa, além de restringir a circulação de pessoas e bens. Ivan Naatz afirma ainda que o caso da TPA de Bombinhas é exemplo de situação que fere a Constituição Federal e a do Estado de Santa Catarina ao cobrar uma taxa que não oferece, em troca, um serviço específico a ser prestado pelo poder público como prevê a legislação.

    O deputado observa ainda  que tais cobranças são controversas, além de serem alvo de Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) ajuizada pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC). “A meu ver, a cobrança é incompatível com a ordem constitucional vigente, notadamente com a natureza da taxa, que é espécie de tributo necessariamente atrelado ao exercício do poder de polícia ou à utilização de serviços públicos específicos e divisíveis prestados ou postos à disposição do contribuinte”.

    Naatz também chama a atenção para o tratamento desigual entre contribuintes, violando o princípio da isonomia tributária uma vez que há isenções de pagamento previstas na TPA para veículos de proprietários de imóveis na cidade e veículos pertencentes aos prestadores de serviços, além do prazo limitado de cobrança restrito à temporada de verão.

    “A aplicação de recursos para preservação e conservação do meio ambiente, bem como recuperação de eventuais áreas degradadas dos municípios turísticos já estão previstos em seus orçamentos de forma que a cobrança destas taxas de acesso a cidade só tem objetivo de aumentar a arrecadação, salienta o deputado. Para Ivan Naatz também não é só a inconstitucionalidade da matéria que está em jogo, mas o interesse neste tipo de negócio, já que segundo ele existem grupos de empresários propondo o sistema a prefeituras de cidades turísticas na forma do consorcio que cuida da cobrança em Bombinhas e que desde a sua implantação, a partir de 2014, já arrecadou mais de R$ 9, 5 milhões.

    A PEC 1/2019 seguirá  para análise inicial  da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde terá sua admissibilidade analisada. Caso seja admitida pela comissão e pelo Plenário da Alesc, ela retorna para apreciação da Comissão de Finanças e Tributação. Para se tornar emenda constitucional, depende do voto favorável de 3/5 dos deputados, ou seja, 24 votos.

    DISCUSSÃO JUDICIAL – A Taxa de Preservação Ambiental de Bombinhas é alvo de polêmica desde que foi implantada no município, por meio de lei municipal ao final de 2013 e com inicio da cobrança em 2014. O Ministério Público sempre se posicionou contra a taxa por inconstitucionalidade e acionou a justiça. Em janeiro de 2017, o Tribunal de Justiça de Santa Catarina decretou a legalidade da cobrança (em votação apertada dos desembargadores por 13 a 10), mas o MP entrou com um recurso extraordinário no Supremo Tribunal Federal (STF), ainda pendente de julgamento. O MP também questiona na Justiça a taxa de preservação ambiental do município de Governador Celso Ramos, aprovada ano passado para iniciar a ser aplicada neste verão, e fez uma recomendação à prefeitura de São Francisco do Sul  para que não realize esse tipo de cobrança que esta em fase de projeto e debate no município.

    A vítima foi esfaqueada pela ex-companheira por negar-se a dar carona para a denunciada e por estar acompanhado de outra pessoa.

    Posted by Click Catarina on Saturday, March 30, 2019

    COMENTE ABAIXO ⬇