• Notícias
More
    Início Notícias Geral Ressaca destrói parte da orla de Balneário Piçarras

    Ressaca destrói parte da orla de Balneário Piçarras

    Governo de Balneário Piçarras terá reunião emergencial após ressaca destruir parte da orla

    🕗 Publicado

    em

    - Publicidade -

    NEWSLETTER

    Receba notícias de Santa Catarina todos os dias em seu e-mail.

    Clique em "Assinar", confirme seu cadastro na próxima tela e ative o cadastro em seu e-mail.
    Foto: Pedro Almeida Macedo

    Após duas ressacas, o trecho inicial do setor norte da praia de Balneário Piçarras não resistiu. Cerca de cem metros do calçadão em deck foram destruídos e árvores foram arrancadas pela ressaca deste final de semana (20 e 21) – mas que ganhou maiores proporções neste domingo. Em nota oficial, o Governo anunciou terá uma reunião emergencial sobre a questão.

    “Amanhã (22), pela manhã, ocorrerá uma reunião de avaliação dos danos causados e medidas preventivas a próximas ressacas. O município já avalia a decretação de emergência pontual, nas coordenadas geográficas do ponto mais atingido pela ressaca, objetivando a reconstrução emergencial do trecho”, afirmou a Prefeitura.

    A situação pode se agravar no decorrer da noite de hoje e madrugada de segunda-feira (22). Por conta disso, a Defesa Civil Municipal isolou a área e também bloqueou o trânsito entre a Rua 1.900 e Avenida Getúlio Vargas. Também solicita que a “população não transite, mesmo que a pé, no ponto mais atingido”.

    Como medida de segurança, o sistema de iluminação pública do trecho foi desligado por risco de curto circuito. A Prefeitura informou ainda que seguirá atenta à situação no decorrer das próximas horas.

    Em maio deste ano, o mesmo trecho havia sido atingido pela ressaca. “Na última grande ressaca, em setembro/outubro do ano passado, se percebeu uma movimentação diferente do mar, com maiores estragos pontuais no lado esquerdo do molhe norte, o que chamou a atenção do poder público. Nesta nova ressaca, observamos o mesmo ponto atingido, sendo já iniciado pela Fundação do Meio Ambiente um estudo sobre os impactos e as possíveis causas da ressaca atingir esse novo ponto em específico”, afirmou a Prefeitura em nota enviada à reportagem – na época.


    COMENTE ABAIXO ⬇